33 médicos cubanos começam a atuar no DF nesta segunda

0
266

Equipes de Saúde da Família do Distrito Federal começam a contar nesta segunda-feira (4) com 33 médicos cubanos que vieram ao país pelo programa Mais Médicos.

Os profissionais estrangeiros vão atuar em 11 regiões do DF, sendo oito em equipes já implantadas e 25 em novos serviços. São 2 em Brazlândia, 12 em Ceilândia, , 3 em Samambaia, 2 em Recanto das Emas, 3 no Gama, 1 em Santa Maria, 2 em São Sebastião, 1 em Planaltina, 2 em Sobradinho, 2 em Taguatinga e 3 na Estrutural.

Segundo o secretário de Saúde, Rafael Barbosa, o GDF solicitou ao governo federal 97 profissionais. Nas duas primeiras etapas de contratação, foram contratados 16 médicos brasileiros – 7 na primeira seleção e 9 na segunda. Com os 33 médicos estrangeiros, o DF terá 49 profissionais do Mais Médicos atendendo nas unidades de saúde.

“Com a chegada dos 33 médicos, vamos completar 49 médicos. O pedido inicial da Secretaria de Saúde é de 97. Então acreditamos que até o final do ano possamos chegar a esse número que irá reforçar, e muito, a nossa atenção primária”, falou o secretário.

Segundo o secretário, o DF tem hoje uma cobertura da saúde básica que atinge pouco mais de 50% da população. “Com a chegada desses profissionais, vamos estar trabalhando com 60% da estratégia de cobertura de Saúde de Família no DF.”

A meta da Secretaria de Saúde é atingir 70% de cobertura na atenção primária de todas as regiões do DF até o fim de 2014. Rafael Barbosa afirmou que ainda há demanda de profissionais no DF, mas que o programa foi importante para reforçar a cobertura da atenção básica de saúde.

“O problema maior era a falta de profissional. Se o Brasil tem, o DF tem. Nós não conseguimos fixar profissionais em áreas mais distantes do Plano Piloto. Então, a vinda destes profissionais foi muito importante no reforço da cobertura da atenção primária”, disse.

O Mais Médicos foi lançado pelo governo federal para aumentar a oferta de profissionais no Sistema Único de Saúde (SUS) em curto prazo. Para os médicos formados, o programa prevê, entre outras condições, a assinatura de um termo de compromisso com o governo para a atuação na localidade escolhida.