Familiares de jovem morta pressionam júri do caso, em frente ao TJDF

0
390

Familiares, parentes e amigos da vendedora Fernanda Grasiely Alves, 25 anos, assassinada brutalmente pelo ex-marido no  Terraço Shopping, se organizaram e com faixas, camisetas personalizadas, fotos e velas fizeram uma vigília em frente ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). Com pedidos de justiça, as pessoas que conviviam com a vítima exigem pena máxima para Victor Medeiros, 29 anos, que será julgado amanhã em primeira instância. O irmão da vítima, Rhideyk Humberto Alves, 28 anos, explica que amigos, parentes e conhecidos desejam que o assassino confesso seja condenado a muitos anos de reclusão. “Queremos justiça e se ele for condenado com o mínimo irá cumprir menos ainda. Desejamos que a gravidade do que ele fez tenha a mesma gravidade judicial. As velas que trouxemos representam a luz de Fernanda”, disse.

Rhideyk ressalta que a mãe tenta retomar a rotina com a ajuda do neto, filho de Fernanda. “Com a morte de Fernanda, ficamos na escuridão. O filho dela repete que a mãe virou uma estrela e que quando o dia chega não consegue mais vê-la.”

Emocionada, a mãe de Fernanda, Gislene Aparecida de Almeida, 49 anos, prometia não deixar a morte da filha cair no esquecimento. Para a dona de casa, o crime serve de alerta para que o Judiciário tenha mais atenção aos casos de mulheres que sofrem agressões dos maridos.“É um sofrimento prolongado porque sempre nos lembramos de Fernanda e isso dói demais. Uma boa punição vai servir de alerta para os homens terem mais amor pelos seus filhos e esposa”, aponta.