Festas infantis – Alguns pontos para reflexão

1
638

Pense no seu filho(a) como a linda criança que é (ou foi): você teria coragem de matá-la ou fazer qualquer coisa que pudesse machucá-la? Acredito que a resposta seja: É CLARO que não! Mas e se você estiver de fato atentando contra a saúde dela sem sequer se dar conta disso? Afinal, presume-se que o responsável pelos atos e escolhas de uma criança sejam seus pais, certo? Mas como andam suas escolhas para a sua criança, já que o que você lhe dá, permite ou proíbe mas acima de tudo, o seu exemplo, o que você demonstra, ajuda-a a formar seu caráter, seus hábitos de vida e por tudo isso, seu futuro? Bem… Sinto informar-lhe que, querendo agradar, você pode estar “adoecendo” sua criança… Vejamos como.

Para a criança, o aniversário de um coleguinha é um momento muito especial, basicamente porque sabe que vai poder brincar, comer e beber muito, sem muitas restrições. Mas se qualquer excesso faz mal a todo organismo vivo, porque seria diferente para as crianças? E não é, por mais que permitamos, até inocentemente; e os 3 principais pecados cometidos nas festas infantis (sim, também pelos pais) são excessos de açúcar, gorduras ruins e refrigerantes.

AÇÚCAR

Coisas que você provavelmente já sabe sobre ele:

–       Seu excesso pode levar o pâncreas à exaustão e/ou à resistência à insulina, assim causando o diabetes mellitus tipo 2 (doença conhecida que pode levar a múltiplas incapacidades e mesmo morte)

–       Quanto mais açúcar se come, mais gordura se produz e menos tempo se vive

–       A dieta que mais engorda NÃO é a rica em gorduras mas em carboidratos (sobretudo os simples, doces, ricos em açúcar mesmo)

–       O cérebro “vicia” em açúcar, ficando realmente dependente dele e normalmente exigindo quantidades cada vez maiores no dia a dia

–       Efeito comum: quanto mais açúcar, mais agitação psicomotora (de curta duração, exceto em crianças e idosos) – excesso literalmente “bagunça” o funcionamento cerebral

–       O açúcar está relacionado de forma importante à causa e manutenção de estado inflamatório do organismo

Acha que com sua criança é diferente? E na festa ela ingere açúcar nas mais diversas formas, durante horas e habitualmente de forma excessiva mas não pára por aí: leva estoques para passar dias abusando de doces ainda mais, após passada na famosa (e de lamentável existência, na minha opinião) “mesa de guloseimas” e ainda com a tradicional lembrancinha de final de festa que raras vezes não contém ainda mais doces. Isso sem falar nos corantes, estabilizantes, realçadores de sabor e aditivos gerais, também danosos: afinal, seria mera coincidência o grande número de crianças com alergias/intolerâncias alimentares e tantas “ites” nos dias de hoje?

GORDURAS RUINS

Coisas que você provavelmente já sabe sobre elas:

–       São as chamadas gorduras saturadas ou gorduras “trans” – as saturadas são as que, sobretudo quando oxidadas, estão mais envolvidas na inflamação e entupimento de vasos sangüíneos (principalmente artérias) e as trans intoxicam o organismo e prejudicam sobremaneira o funcionamento hepático

–       Assim que chegam no organismo já iniciam seus efeitos danosos, ou seja, já desde as primeiras alimentações a criança exposta a elas começa a ter suas artérias gradativamente inflamadas e obstruídas

–       Frituras são fontes importantes delas e de difícil/lenta digestão

–       Mesmo gorduras ditas “boas” (mono e poliinsaturadas), quando expostas a grandes temperaturas, “transformam-se” em ruins

–       O cérebro “vicia” em gorduras, “sentindo falta” delas e demandando novas doses, cada vez maiores, a cada dia; afinal, não é à toa que os alimentos gordurosos costumam ser os mais saborosos

–       No seu excesso, o organismo utiliza menos as “gorduras boas” para construir hormônios e membranas celulares; resultado: matéria-prima ruim = organismo mais inflamado e frágil

–       Estudos mostram que o processo de obstrução de artérias por placas de gordura já começa no primeiro ano de vida

Acha mesmo que com sua criança é diferente? E na festa a maioria dos salgadinhos ou é frita e/ou é feita com grande quantidade de gordura hidrogenada (trans) e saturada (acreditam mesmo que o óleo de fritura é novo ou mesmo trocado com freqüência?); e durante horas os presentes abusam deles.

REFRIGERANTES

Coisas que você provavelmente já sabe sobre eles:

–       Os “normais” são riquíssimos em açúcar (vide malefícios diversos acima), que atinge o sangue em questão de minutos, gerando sobrecarga

–       Contêm muitos ácidos que alteram o pH do organismo (sobretudo intestino) e aumentam a perda de minerais

–       Gaseificados, aumentam a distensão do estômago, assim lentificando a digestão – aliás, em resumo, prejudicam a digestão

–       Mesmo os light e diet têm sido relacionados por estudos a aumento da fome, intoxicação hepática, diabetes e mesmo obesidade

–       Quem toma mais refrigerante, toma menos água, o que por si só já é algo muito prejudicial para o organismo

–       Estudos indicam que quanto mais refrigerantes uma pessoa toma, mais tem vontade de tomá-los (e em maiores quantidades e freqüência)

Acha mesmo que com sua criança é diferente?

Vale ressaltar que os 3 fatores (Açúcar, Gorduras ruins e Refrigerantes) estão entre os principais vilões da alimentação moderna, envolvidos na gênese, manutenção e/ou agravamento das principais doenças crônicas e entre elas a obesidade, que exibe grande e assustador crescimento em todo o mundo, muito entre as crianças. E as doenças crônicas desenvolvidas no futuro começam pelos abusos e maus hábitos, recorrentes, desde a infância: ou acham que é mera coincidência crianças de pouca idade já comparecerem a consultórios para tratamento de colesterol/triglicerídeos altos, hipertensão, intolerância à glicose (excesso de exposição ao açúcar pode, sim, levar a isto precocemente) e mesmo sobrecarga hepática?

Ademais, é lamentável a dificuldade que pais conscientes encontram para fazer sua festinha com opções mais saudáveis de alimentação. E engana-se quem pensa que as festinhas são meros abusos ocasionais, uma vez que não são raras as ocorrências de mais de uma por final de semana, sendo dezenas por ano!

Em resumo, festas infantis tinham tudo para ser só motivos de felicidade mas, na prática, contêm em si fatores incontestáveis de agravo à saúde de todos os presentes. Só que da sua saúde cuida você, não é? E das crianças? E seu futuro pelo que fazem hoje? Pensemos nisso e procuremos ser, cada vez mais, responsáveis, nas pequenas mas importantes coisas: nossos pequenos dependem muito mais disso que imaginamos.

Um abraço e SAÚDE para todos!

Ícaro Alves Alcântara

www.icaro.med.br

Twitter: @qualidade_vida