Mais um depredado

0
289

Em menos de três dias, um segundo Posto Comunitário da Polícia Militar foi incendiado. Ontem (5), o posto depredado, com vidro quebrado e tentativa de incêndio, fica na quadra 29, do Paranoá. Na última segunda-feira (3), outro espaço de segurança da PM foi totalmente destruído no Itapoã. A polícia nega abandono e afirma que policiais estavam realizando rondas.

A Polícia Militar informou, por meio de nota, que o posto foi incendiado enquanto a equipe de serviço realizava patrulhamento no setor. O Corpo de Bombeiros disse o fogo não se alastrou e foi controlado rapidamente. A PM destacou também que as causas e a autoria deste crime estão sendo investigadas. Além disso, as guarnições têm autorização para fechar o posto para atender ocorrência ou fazer patrulhamento.

Moradores da região afirmam que o posto da PM estava fechado há anos. “Eles só passam, olham se está tudo bem e vão embora. Nem chegam a entrar”, relata uma moradora de frente ao local que não quis se identificar. Segundo a moradora, mesmo na época que o local funcionava, a segurança na região era ruim. “A igreja [em frente ao posto] já foi assaltada com policiais sentados ali dentro e nada foi feito por eles.”

Um policial, que acompanhava a perícia, disse que o posto na quadra 29 já existe há quatro anos, mas que não existe efetivo na região para ficar trabalhando no local. “O efetivo policial no Paranoá é de um pouco mais de cem homens, não tem como tirar oito das ruas para ficar parado no posto”, pontuou.
A Polícia Civil esteve no local para realizar perícia. Na ocasião, foi achado apenas uma roupa incendiada. O laudo deve ficar pronto em até 30 dias.

Um menor de idade e uma mulher, supostamente mãe do jovem, foram apreendidos, ontem (5), suspeitos de furtarem alumínio do posto da PM que foi incendiado no Itapoã, na segunda-feira (3). Mesmo com a faixa de interdição do local, os infratores desmontaram as partes que poderiam ser revendidas.

Policias foram chamados por um vizinho ao posto incendiado. O jovem apreendido contou aos policiais que pegava alumínio para revender ao ferro-velho próximo ao local do crime. Os dois foram levados para a 6ª DP com os mais de cinco quilos de sucatas furtadas.

(Foto: Ilustrativa)