PMs recorrem contra fim da operação ‘tartaruga’ e vão para ato na Câmara

0
339

O vice-presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares do Distrito Federal, sargento Manoel Sansão, afirmou na manhã desta terça-feira (4) que a categoria vai recorrer da decisão do Tribunal de Justiça determinando o fim da operação tartaruga. A associação foi notificada no final da tarde desta segunda.

Segundo o sargento, os militares acatarão a ordem mesmo sem concordar com a decisão e, por isso, continuarão com a mobilização.

Ele afirmou ainda que os policiais “foram esquecidos” pelo governador Agnelo Queiroz. “[Os PMs] querem e vão mostrar a verdadeira cara deste governador que promete mas não cumpre e não honra com seus compromissos”, disse Sansão.

Nesta terça, policiais militares favoráveis à operação tartaruga têm uma audiência pública marcada na Câmara dos Deputados com os parlamentares do DF. Na quarta (5), o grupo se reúne com parlamentares na Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Na segunda, o vice-presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares do Distrito Federal afirmou que os policiais partirão para outra forma de manifestação após a decisão da Justiça pôr fim à operação tartaruga.

“Vamos acatar, porque a gente respeita a Justiça. Só que aí vamos partir para outras operações. Vamos abordar todo mundo, inclusive gente do governo que a gente sabe que está irregular. Vamos colocar a criminalidade no zero. Vamos encher as delegacias. Não é isso que o governador quer? Então pronto. Então vamos ajudar a sociedade. Já que o governador não tem compromisso com os policiais e bombeiros, nós vamos mostrar que temos com a sociedade”, disse.

Ele não disse quem eram as pessoas que ele chamou de “gente do governo” nem quais eras as irregularidades supostamente cometidas por elas. Na quinta-feira passada, durante reunião do governador com a cúpula da segurança, Agnelo classificou a manifestação dos PMs de “política”.