Recadastramento chega ao fim

0
279

Os eleitores do Distrito Federal que não realizaram o recadastramento biométrico tem até hoje (31) para regularizarem a situação junto à Justiça Eleitoral, sob a pena de terem o título de eleitor cancelado. O atendimento será realizado em 29 unidades do TRE, das 8h às 18h.

Nesta reta final, o assessor de planejamento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Marcelo Souto, afirmou que será impossível os eleitores não pegarem filas. Ele explica, também, que a quantidade de funcionários do TRE deve conseguir dar conta de toda a demanda que irá procurar o tribunal hoje. “Será preciso muita paciência das pessoas que deixaram para fazer o recadastramento para a última hora. Mesmo assim, vale ressaltar que nossa meta foi batida”, comenta.

Segundo uma estimativa do TRE local, pouco mais de cem mil pessoas ainda não fizeram a atualização de seus cadastros, o que deverá implicar na impossibilidade de assumir vagas em concursos públicos e pedir empréstimos em bancos governamentais, tirar o passaporte, além de dificuldades com a matricula em faculdades públicas e, no caso de funcionários públicos, problemas em receber o salário, além de outras consequências.

Quem perder esse primeiro prazo pode tentar junto ao TRE resolver a pendência até o dia sete de maio, no entanto, não é garantido que seja feito, segundo Souto. “Essa é a última chance de quem perder o prazo de hoje. Após isso, as pessoas terão que esperar até novembro deste ano para fazer o recadastramento. Com isso, essas pessoas não vão poder votar e, consequentemente, irão pagar multa de R$ 13,51 por turno devido a ausência nas urnas”.

No penúltimo dia de atendimento, ontem (30), o tribunal realizou 10.927 recadastramentos dos eleitores que foram as 29 unidades de atendimento, entre cartórios, postos avançados e postos eleitorais. De acordo com o TRE, 9.257 eleitores passaram pelo recadastramento; 442 novos documentos foram emitidos e 1.228 títulos foram transferidos para o DF. As regiões que tiveram maior movimento no domingo foram Sobradinho, Asa Norte e Ceilândia.

O gerente de área Cláudio Macedo, 44 anos, conta que realizou no final do ano passado o recadastro dele e da família e o cenário foi bem diferente do que é encontrado hoje nos postos de atendimento do TRE. “Em 20 minutos meu filho, esposa e eu estávamos cadastrados. Não quis deixar para a última hora para ter problemas com o tumulto e a possibilidade de não fazer a atualização. Nós, brasileiros, temos que perder essa mania de deixar tudo para o último minuto”, opina.

O prazo de recadastramento teve início em março do ano passado e tinha como meta recadastrar ao menos 75% dos mais de 1,8 milhão de eleitores. “Aproveitei os primeiros dias para fazer meu cadastro, só precisei agendar o dia, hora e local e comparecer. No final, eles ainda me deram uma declaração para entregar no meu trabalho”, afirma a administradora Mayara Nóbrega, 23 anos.