Sem multa, ônibus rodam fora da faixa na W3 Sul e Norte

0
448

Coletivos circulam livremente pelas três faixas da pista, complicando o trânsito nos horários de pico

Motoristas de ônibus estão aproveitando que o Detran- DF não está aplicando multas aos coletivos que não respeitam a faixa exclusiva da W3 Norte e Sul para trafegar livremente pelas três faixas da via, complicando o trânsito no local. O Detran suspendeu a autuação na via em julho do ano passado, quando a sinalização horizontal da via foi apagada durante o recapeamento do asfalto.

Os usuários da via reclamam da lentidão causada pela presença dos ônibus nas faixas destinadas aos carros de passeio. O operador de telemarketing Igor Costa utiliza a W3 Sul todos os dias e reclama do trânsito caótico na via nos horários de pico. “Se tem uma faixa de ônibus, tem que respeitar”, critica. Já o taxista José Vicente Filho afirma que, além de não respeitarem a faixa, alguns motoristas de ônibus são imprudentes com os outros veículos. “De vez em quando a gente leva umas fechadinhas”, diz.

As faixas exclusivas da W3 Sul e Norte foram implantadas em março e maio de 2012, respectivamente. Desde que a sinalização das pistas foi apagada, contudo, o Detran suspendeu as multas nas vias. Cada corredor tem 7,2 quilômetros de extensão e oferece um ganho médio de 15 minutos para os usuários das 128 linhas de ônibus que trafegam diariamente pelo local.

O Detran informa que só voltará a aplicar as penalidades na W3 depois que as obras na pista terminarem. De acordo com a Secretaria de Obras, na W3 Norte falta apenas a pintura da sinalização horizontal. Já na W3 Sul, além da demarcação das faixas, é necessário ainda aplicar uma camada de microrrevestimento que garante mais aderência para os veículos e mais durabilidade para o asfalto.

A pasta diz, contudo, que os procedimentos só poderão ser realizados no período da seca. O problema é que se chover enquanto o material estiver secando, o que leva cerca de seis horas para ocorrer, ele poderá escoar para o Lago Paranoá e causar graves danos ambientais. As obras de revitalização das vias irão custar R$ 18 milhões no total.